Energia: transição para fontes renováveis é o caminho

15/06/2021

Em meio à crise hídrica e o acionamento das usinas térmicas, a transição para uma matriz elétrica de base renovável se destaca na pauta. A geração de energia a partir de renováveis, como eólica e solar, pode assumir o protagonismo na matriz elétrica brasileira no Brasil pós- 2030, com hidrelétricas ocupando o papel que hoje é desempenhado pelas térmicas, segundo avaliação do engenheiro Luiz Eduardo Barata, ex-diretor do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), em entrevista à newsletter Diálogos da Transição, da Agência EPBR.

Mudanças climáticas
“Eu faço uma correlação direta entre mudanças climáticas, desmatamento e crise hídrica”, diz Barata. Em reportagem de O Globo, o professor de Economia da PUC-Rio Sérgio Besserman também aponta para essa relação. Ele reconhece que a retirada dos combustíveis fósseis do setor energético global pode ser mais lenta que o desejado — afinal, a indústria do país foi significativamente construída à base de fontes poluentes. No entanto, ele aponta que sua substituição por fontes como eólica, solar e biomassa tem um papel importante no aumento da qualidade de vida das pessoas, para além de oportunidades econômicas.

Investimentos em eólica e solar
A mudança de curso rumo à diversificação teve força com a crise de 2001. “A partir dali, ficou clara a necessidade de complementar a nossa matriz, que era quase exclusivamente hidrelétrica”, diz Barata. Mas foi só a partir de 2011 que alternativas renováveis como solar e eólica passaram a ganhar impulso. “Eu estava entre os que pensavam que eólica offshore não faria muito sentido no Brasil e que só seria realidade bem depois de 2030, mas já há projetos em curso, antecipando esse novo mercado para a década atual, muito antes do que todo mundo previa”. Barata é a favor do fim dos subsídios tanto para eólica como para energia solar porque os setores já seriam maduros e competitivos.

E mais
Para retomar a trajetória do setor energético brasileiro e como a energia se tornou peça chave da economia, especialmente pela demanda da industrialização o país, vale conferir a linha do tempo construída pelo Nexo.

Leia matéria da Agência EPBR em https://bit.ly/3x9DfxC, matéria d’O Globo em
https://glo.bo/3zkabFm e acesse a linha do tempo do Nexo em https://bit.ly/3wgtLke.

0 Comentários
Escrever Comentário

Veja também

20939 Indústria 4.0: adoção de tecnologias fornece melhor conectividade e vantagem competitiva Saiba Mais
20938 Indústria da transformação e de serviços produtivos devem gerar 700 mil empregos até 2031 Saiba Mais
20937 Reforma tributária trará maior competitividade internacional para a indústria, acredita a CNI Saiba Mais