Mais eficiência energética, mais competitividade

02/09/2019

Por Raphael Matta*

Extenso e continental, com clima e relevo favoráveis, o Brasil é não só autossuficiente, mas também destaque mundial na produção de energia. Essa notoriedade é reforçada pelo fato de que, segundo dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), o país tem 42,9% de sua matriz energética oriunda de fontes renováveis, percentual muito superior à média mundial, de apenas 1,4%.

Hoje, de acordo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil soma 165,8 GW de potência instalada e outros 22,8 GW serão adicionados à capacidade de geração do país nos próximos anos, provenientes de plantas em construção e projetos aprovados e não iniciados (dados de agosto de 2019). E, apesar de toda essa potência, o Brasil vive um paradoxo: o custo atual da energia elétrica no país é um dos mais elevados do mundo, ficando à frente de outras nações industriais relevantes como os Estados Unidos e a Alemanha, que têm preços 127,3% e 9% mais baixos, respectivamente.

Maior consumidora de energia elétrica na economia brasileira, com uma fatia de 41% do total gerado no país, a indústria vê sua competitividade afetada em função das altas tarifas, que cresceram nos últimos anos. Não à toa, os custos com energia chegam a representar até 40% dos gastos totais de pequenas e médias indústrias nacionais, estima a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Diante desse cenário de altos custos com energia, o setor industrial se vê impelido a buscar mais eficiência energética para elevar margens de lucro e a competitividade. E ele já se movimenta nesse sentido. No mundo, especialmente na Europa e na América do Norte, a indústria já adota a ISO 50001, certificação que trata da gestão da energia, com resultados em eficiência energética. Cerca de 20 mil certificados foram emitidos até o final de 2016, segundo a ISO Survey.

No Brasil, alguns segmentos já produzem sua própria energia, visando redução de custo, e utilizam resíduos do processo na geração, buscando mais eficiência, chegando a vender o excedente de energia para a rede. O setor sucroalcooleiro, por exemplo, utiliza os resíduos da cana-de-açúcar (bagaço, palhas e pontas, vinhaça e torta de filtro) para a geração de energia e a biomassa da cana já representa 8,2% da matriz energética. A indústria siderúrgica, segmento que faz uso intensivo de energia, faz uso dos gases do alto forno e da coqueria para complementar a geração. E mesmo a indústria de papel e celulose tem obtido sucesso na produção de energia a partir de biomassa, com a queima do cavaco de madeira.

Nesse contexto, os lubrificantes também podem gerar benefícios interessantes pela redução do consumo de energia em determinados equipamentos, como sistemas hidráulicos e caixas de engrenagens, por exemplo, e em motores, pela redução do consumo de combustível, ou seja, podem interferir diretamente na produtividade da planta. Para tal, são necessários produtos de alto desempenho e com propriedades específicas, que protegem os equipamentos e proporcionam menores perdas durante a operação, contribuindo para a eficiência energética do sistema.

Visto que o custo da energia no Brasil é altíssimo e representa um desafio para a indústria, a MobilTM tem o compromisso de ser parte da solução e está preparada para apoiar seus clientes nos projetos com foco em eficiência energética, contando com uma linha de lubrificantes de avançada tecnologia, serviços especializados e um time de especialistas. Venha conhecer mais.

* Raphael Matta é coordenador de Marketing da Moove

0 Comentários
Escrever Comentário

Veja também

17004 Indústria quer participar das transformações do mercado de gás natural Saiba Mais
17000 Treinamento na era da transformação Saiba Mais
16998 PEC Emergencial Fiscal pode liberar até R$ 50 bi em investimentos no país Saiba Mais