Trajetória de expansão na confiança da indústria continua em agosto

25/09/2020

Em agosto, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), chegou a 57,5 pontos, após salto de 8,4 pontos frente a julho. Trata-se do quarto aumento consecutivo do indicador, que acumula alta de 23,2 pontos desde a forte queda de abril, pico da crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Segundo a CNI, o Icei cresceu em 28 dos 30 setores da indústria analisados. Mais ainda, o indicador superou a linha divisória dos 50 pontos, que aponta que o empresariado do setor está de fato confiante. Empresas das regiões Norte (59 pontos) e Sul (58 pontos) são as mais otimistas do país. Frente a agosto de 2019, entretanto, o índice está 2,4 pontos mais baixo.

Análise setorial
Com o avanço registrado em agosto, todos os setores analisados pelo Icei passaram a se situar acima dos 50 pontos. O índice da Indústria da Construção, por exemplo, alcançou 54 pontos, após a alta de 7,7 pontos de agosto. É a quarta expansão consecutiva do segmento, que acumula crescimento de 19,2 pontos desde maio.

Já o indicador da Indústria Extrativa cresceu 3,4 pontos em agosto, batendo em 57,2 pontos. A CNI destaque que as empresas do setor já estavam confiantes em junho e, desde então, vêm se afastando cada vez mais da linha divisória dos 50 pontos.  

Ao fim de agosto, os três setores analisados com maior nível de confiança eram:

  • Produtos de minerais não metálicos (63,3 pontos)
  • Produtos de borracha (62,8 pontos)
  • Produtos de material plástico (61,7 pontos)

Já os menos confiantes eram:

  • Manutenção, reparação e instalação de máquinas e equipamentos (50,2 pontos)
  • Impressão e reprodução de gravações (50,3 pontos)
  • Calçados e suas partes (50,4 pontos)

Para ler a matéria original, acesse https://bit.ly/3iCgGe5.

0 Comentários
Escrever Comentário

Veja também

19975 Usiminas faz registro de novas patentes no INPI Saiba Mais
19974 Investimentos em mineração devem somar US$ 40 bi em até 5 anos no Brasil Saiba Mais
19973 Após surtos de Covid-19, frigoríficos aceleram automação nas Américas Saiba Mais