Treinamento na era da transformação

13/11/2019

Imagine um jovem que dá seus primeiros passos no mercado de trabalho. Confiante após ter passado pelos conteúdos acadêmicos mais atualizados de sua área, consegue o emprego que queria. Agora, como dizer a ele que, dentro de cinco anos, mais de um terço do que ele aprendeu terá valia? O alerta vem do estudo “The Future of Jobs: Employment, Skills and Workforce Strategy for the Fourth Industrial Revolution”, do Fórum Econômico Mundial (FEM). O documento aponta que, em média, 35% das competências desenvolvidas hoje em um amplo número de setores, incluindo a indústria, tornam-se “instáveis” em meia década. Neste sentido, vários desafios entram em cena quando pensamos em capacitação de mão de obra.

Para evitar esse dilema, é cada vez maior o número de empresas e outras organizações que criam ecossistemas colaborativos com instituições de ensino. É uma via de mão dupla: o mercado participa da construção de um novo perfil de profissional, adequado às rápidas transformações tecnológicas e sociais, e o mundo acadêmico atualiza suas ementas absorvendo demandas reais do mercado.

Certo é que o atraso na atualização dos currículos e na preparação dos profissionais tem impacto direto na competitividade brasileira, avaliam especialistas. Para eles, de modo geral, as empresas brasileiras têm se esforçado para reduzir esse descompasso. Em comparação a outros países latino-americanos, por exemplo, o país está alguns passos à frente, mas há um abismo quando se analisa mercados mais consolidados, como Alemanha e Japão.

Sintonia com o mercado

Um bom exemplo desse movimento envolvendo empresas e outras organizações, voltados ao aprimoramento da formação de profissionais, é um projeto realizado pela Trevisan Escola de Negócios. Nele, professores e profissionais do segmento de auditoria em atividades de pesquisa e reciclagem acadêmica trabalham lado a lado. Já na PUC-Rio, consórcios reunindo a equipe da IAG–Escola de Negócios e empresas como Deloitte, Vale e IBM ofereceram encontros abertos ao público, com debates sobre temas como o uso de analytics aplicado à gestão de pessoas e o estímulo à diversidade em ambientes corporativos.

Especialistas de várias áreas veem com bons olhos iniciativas nesta direção. Para eles, iniciativas assim se tornam um ecossistema fundamental para a recriação dos currículos profissionais. É ainda uma oportunidade de cooperação entre stakeholders que compartilham competências, com foco em um propósito comum, ajudando a reduzir o gap que vai aumentando a cada ano que passa.

Para ler o artigo completo, acesse https://bit.ly/36VmfPs.

0 Comentários
Escrever Comentário

Veja também

17096 TCU não acata pedido do MP para reverter mudanças na geração distribuída Saiba Mais
17095 Klabin aposta em recuperação em 2020 Saiba Mais
17094 Brasil eleva número de plantas produtoras de carne habilitadas a exportar à China Saiba Mais