BNDES mapeia até R$ 1,1 trilhão em investimentos no país até 2022

01/11/2019

Levantamento produzido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aponta que o quadriênio 2019-2022 deve apresentar um quadro de expansão nos investimentos no Brasil. Ao todo, a instituição financeira prevê aportes totais de R$ 1,1 trilhão no período para os setores mapeados, que responsáveis por cerca de 25% da formação bruta de capital fixo da economia.

O montante estimado representa aumento real de 2,7% em relação ao quadriênio anterior (2018 a 2021). Segundo o BNDES, os números consideram investimentos apoiados e não apoiados pelo BNDES relativos a 19 setores, sendo 11 da indústria e oito da infraestrutura. É a primeira, por sinal, que puxa o crescimento na projeção do banco, com destaque para o segmento de petróleo e gás, que impulsionado pela recuperação do preço da commodity no mercado internacional e pelos leilões ocorridos em 2017 e no início de 2018.

Segundo o BNDES, os investimentos nos setores mapeados, que foram de R$ 250,8 bilhões em 2018, devem aumentar para uma média anual de R$ 270,6 bilhões, entre 2019 e 2022. Por conta da aceleração nas inversões ao fim do período, a perspectiva é de crescimento real de 3,9% ao ano, em média.

Mais números

Na infraestrutura, a previsão é de investimento médio anual próximo ao estimado no levantamento anterior (2018-2021). O cenário, contudo, é de aceleração a partir de 2021, de forma que o valor em 2022 deverá superar o do ano passado. Segmentos como logística e saneamento devem mostrar melhor desempenho dos investimentos nas áreas mais carentes de desenvolvimento, sobretudo a partir de 2020.

A análise apresenta ainda uma redução no quadro de endividamento e restrição de caixa das empresas no segmento de mineração. Outro destaque foi a siderurgia, com a melhora das margens de lucro. Políticas públicas, mudanças no marco regulatório e programas de concessão de serviços de infraestrutura também influenciam positivamente os investimentos, enquanto a situação fiscal dos Estados continua sendo fator de inibição.

Para ler o conteúdo completo do estudo, vá até https://bit.ly/2pqpltK.

0 Comentários
Escrever Comentário

Veja também

17096 TCU não acata pedido do MP para reverter mudanças na geração distribuída Saiba Mais
17095 Klabin aposta em recuperação em 2020 Saiba Mais
17094 Brasil eleva número de plantas produtoras de carne habilitadas a exportar à China Saiba Mais